Do zero ao bilhão: A história de alguns unicórnios brasileiros


 

Nesse Blog Leader vamos apresentar a você os “unicórnios” brasileiros que surgiram nos últimos anos, para começarmos então, é necessário entender o porque desse titulo. De uma maneira simplificada, esse termo é utilizado para identificar startups que tiveram uma grande ascensão no mercado, startups que surgiram do nada e que conseguiram atingir 1 bilhão de dólares em avaliação de mercado nos últimos anos.

Com isso, essas startups nos mostram que, uma grande idéia, pode sim emplacar no mercado e gerar ótimos frutos. Agora sabendo de tudo isso, vamos então apresentar quem são esses unicórnios brasileiros.

 

Por Matheus Azevedo

 

99

99 é uma startup que desenvolveu um aplicativo de transporte, ela se tornou um unicórnio em janeiro de 2018. Foi criada em São Paulo no ano de 2012 pelos empreendedores, Ariel Lambrecht, Paulo Veras e Renato Freitas, a empresa foi adquirida em janeiro de 2018, pelo grupo chinês Didi Chuxing, pelo valor de 1 bilhão de dólares. Na época, o pagamento total foi de 600 milhões de dólares, essa mesma empresa ja tinha participações na 99, antes de efetuar a compra.

 

Ebanx

A Ebanx é uma startup que processa pagamentos, ela se tornou unicórnio em outubro de 2019, sendo o primeiro unicórnio da região Sul do Brasil, ela permite que empresas estrangeiras como o Airbnb, Aliexpress e Spotify vendam seus produtos e serviços em território brasileiro, cobrando em moeda local. Foi criada em Curitiba no ano de 2012 pelos empreendedores, Alphonse Voigt, João Del Valle e Wagner Ruiz, a empresa ja tem mais de 600 funcionários e atua em vários países da America Latina. Se tornou um dos unicórnios brasileiros ao receber, um novo aporte do fundo de private Equity FTV, do Vale do Silício.

 

Gympass

Gympass é uma startup com foco em serviço de assinatura de academias e atividades físicas, se tornou unicórnio em junho de 2019, a startup recebeu um aporte de 300 milhões de dólares, sendo liderado pelo SoftBank e General Atlantic, fundo americano com experiencia em startups. A startup tem um modelo considerado um pouco ousado, ela oferece um plano de “assinatura de academias e atividades físicas” para empresas, que por sua vez repassa esse sistema como um benefício a seus funcionários. Atualmente ela se encontra funcionando em 14 países, incluindo os Estados Unidos.

 

iFood/Movile

Nesse caso em especifico são 2 startups em 1, o iFood que pertence á holding Movile, essa startup tem o foco em delivery de comida, se tornou um unicórnio em novembro de 2018, recebendo um aporte de 500 milhões de dólares dos fundos, Naspers e Innova Capital, ligado a Jorge Paulo Lemann. A startup se tornou um unicórnio e de bônus levou junto a sua dona, a Movile, a se tornar também outro. A Movile, além do iFood, também tem investimentos em outras startups, como a Sympla e é dona da Playkids.

 

Loft

Loft é uma startup de compra, venda e reforma de imóveis residenciais, ela se tornou um unicórnio em janeiro de 2020, foi fundada em agosto de 2018 pelos empreendedores, Florian Hagenbuch e Mate Pencz, que são criadores também da gráfica digital Printi. A Loft usa tecnologia para dar forças a um negocio antigo, que é: compra, reforma e venda de apartamentos. Esse projeto começou em 3 bairros da capital de São Paulo e ja se expandiu para 18 deles, foram negociados 1.000 apartamentos só em 2019. Agora o foco da startup é a entrada em novos mercados do Brasil e América Latina.

 

Loggi

Essa startup que trabalha com entregas, se tornou um unicórnio em junho de 2019, mais uma que recebeu investimentos do grupo japonês SoftBank, que abriu um fundo avaliado em 5 bilhões para o mercado da América Latina. A Loggi foi uma da primeiras, fundada em São Paulo pelo francês Fabien Mendez, ele foi influenciado a vir para o Brasil por uma capa da revista Economist, com o Cristo Redentor decolando. A startup de entregas conseguiu levantar 150 milhões de dólares em uma rodada, sendo liderada pelos japoneses.

 

Nubank

A Nubank é uma startup que trabalha com cartões de credito e serviços financeiros, se tornando em 2018 um unicórnio brasileiro. Ao receber em uma rodada de investimentos 150 milhões de dólares do fundo DST Global, o Nubank revelou que tinha virado um unicórnio, no entanto a startup alega que, já havia se tornado antes mesmo da rodada começar. Pouco tempo depois da rodada, a Nubank foi avaliada em 4 bilhões de dolares, ao receber fundos da empresa chinesa Tencent. Em julho do mesmo ano, se tornou a primeira startup brasileira a receber o titulo de decacórnio, ao receber 400 milhões do fundo americano TCV, chegando a ser avaliada em 10 bilhões de dólares.

 

PagSeguro

Essa startup tem como foco meios de pagamento, ela se tornou um unicórnio brasileiro em janeiro de 2018, a mesma pertence a UOL, a startup de meios de pagamento PagSeguro se tornou um unicórnio brasileiro ao abrir seu capital, na bolsa de valores de Nova York. Foi considerada uma das aberturas de capital mais bem sucedidas das startups brasileiras no exterior, ao final do primeiro dia no mercado, a mesma estava avaliada em 9,2 bilhões de dólares. Nos dias atuais, ela ultrapassa os 15,4 bilhões de dólares, ela não só recebe o titulo de decacórnio brasileiro, mas como o ultrapassa hoje.

 

QuintoAndar

A QuintoAndar é uma startup com foco em aluguel de residências, ela se tornou um unicórnio em setembro de 2019, fundada em 2013 pelos empreendedores André Penha e Gabriel Braga. A startup funciona como um intermediário entre proprietários e inquilinos, dispensando a necessidade de seguro fiança, caução ou fiador. Atualmente esta presente em, 25 cidades brasileiras e fecha cerca de 4,5 mil contratos todo mês. Ela se tornou um unicórnio brasileiro depois de receber 250 milhões de dólares, durante uma rodada liderada pelo grupo japonês SoftBank e pelo fundo americano Dragoneer.

 

Stone

A Stone é uma startup que tem foco em meios de pagamento, se tornou em outubro de 2018 um unicórnio brasileiro, ela foi fundada pelo empreendedor André Street em 2012, a startup se beneficiou de uma mudança regulatória para crescer, no mercado brasileiro das maquinas de cartão de credito. Ela foi crescendo aos poucos, buscando um espaço e reconhecimento em um setor controlado pela Cielo e Rede. Ao abrir seu capital na bolsa de valores de Nova York em 2018, chegou á avaliação de mercado necessária, se tornando um unicórnio brasileiro.

 

Wildlife

Essa startup desenvolve games para celular, se tornou um unicórnio brasileiro em dezembro de 2019, fundada em São Paulo no ano de 2011 pelos irmãos empreendedores, Arthur e Victor Lazarte, na época com nome de Top Free Games (TFG) e com investimento inicial de 100 dólares, ela é o unicórnio que tem a ascensão mais discreta até o momento, alcançando a avaliação de mercado de 1,3 bilhões de dólares, após receber um aporte do Benchmark Capital da Uber, Twitter e Snapchat, em sua segunda rodada na história. A startup produz jogos gratuitos para celular, mas fatura em microtransações dentro do jogo, que é a venda de itens cosméticos ou que melhoram os status do jogador nos jogos. Até o fim de 2019 acumularam cerca de 2 bilhões de downloads em títulos como Sniper 3D, que é hoje o seu jogo mais famoso, Colorfy e Tennis Clash. É também conhecido como, um dos unicórnios mais “globais” do país, tendo escritórios em quatro países e seus jogos estão no ranking dos mais baixados, tanto na Google Play Store, quanto na Apple Store, em mais de 100 territórios diferentes.

 

Com isso encerramos esse Blog Leader, aonde mostramos a você quais são os grandes unicórnios brasileiros.

Quer saber mais sobre assuntos relacionados?

Gostou do conteúdo? Quer se tornar o novo unicórnio brasileiro com sua ideia incrível, mas não sabe como? Entre em contato conosco.